Luis F. Clark

POR Daniel Martinelli

Ai Galera, hoje eu vou apresentar um Grande Artista Brasileiro que já tem o seu trabalho reconhecido em território internacional, vocês já devem conhecer algumas de suas obras, muitos lembram dos seus trabalhos com a marca de prancha Energia.   Suas obras retratam muito bem os nossos habitantes que vivem lá no fundo do mar, Luiz Fernando Clark é o cara, suas pinturas são muito detalhadas e feitas em airbrush.

Para quem ainda não conhecia a arte de L.F Clark vale a pena entrar no site do Artista e conhecer as suas pinturas:  http://www.lfclark.com.br

>>

Luiz Fernando Clark, é natural do Rio de Janeiro, sua relação com o mar começou muito cedo. Seu avô, o médico Durval Guimarães Vianna, foi o fundador do Corpo Marítimo de Salvamento, e desde os primeiros anos de vida ele já estava navegando e pescando no litoral do Rio. Seu pai também, desde a década de 60, levava os filhos para pescar na restinga de Marambaia, Angra, Saquarema, Cabo Frio, Búzios, etc.

Em pintura sempre foi autodidata, e já nos seus quadros de infância mostrou o seu traço perfeccionista. Estudou nos colégios Santo Agostinho e Princesa Isabel.
Em 1981 entrou no curso de pintura da Escola Nacional de Belas Artes, na UFRJ .

Em 1984, começou a pintar pranchas de surf e windsurf da marca “Energia” e, com seu design inovador, aumentou as vendas, ajudando a torna-la a maior fábrica do Brasil exportando para mercados tão exigentes quanto os da Califórnia, Hawai, Japão e Austrália.

Em 1986 faz sua primeira pintura em um barco da Fast Yatchs, em São Paulo.

Em 1987, foi morar em Angra para criar as pinturas de lanchas off-shore 28 pés do estaleiro Premium, e sua segunda pintura inaugura a sua participação em salões náuticos no Brasil.

Em 1988 foi morar na Itália, em Viareggio, para trabalhar na construção do megayatch “Pillar Rossi” de Nelson Piquet. Lá ele também trabalhou para estaleiros famosos como “CUV” (Cantiere Uniti Viareggio) onde fez o design externo de dois catamarãs de corrida do campeonato europeu de offshore, e “Perini Navy” onde fez trabalhos de pintura no barco “Andromeda”, um veleiro de 150 pés, (uma jóia de 12 milhões de dólares), também fez trabalhos de pinturas para o Megayatch “Time”, de 126 pés, que foi exposto no salão náutico de Génova de 1988, no Megayatch “Toi & Moi” de Sofia Loren, entre outras grandes embarcacões.

Em 1989 retornou para o Brasil e foi contratado para criar a pintura da Mares 30′ que iria para o salão náutico do Rio de Janeiro de 89 começando, então, a sua relação com a pesca oceânica e todos os estaleiros nacionais deste estilo de barco como: Mares, Carbras Mar e Rio Star entre outros.

Em 1990 e 91 suas criações do estaleiro Mares S.A. são expostas nos salões náuticos do Rio e de São Paulo.

Em 1992 fez, nos EUA, a programação visual do 1º catamarã 46 pés, (capa da revista Nautica) lançamento da Mares no salão náutico de Miami. Foi quando conheceu dois artistas famosos da pesca oceânica, Guy Harvey e Al Barnes.

Em 1993 passou 8 meses trabalhando no estaleiro da Mares International, em Cabo Canaveral, EUA, onde executou dois designs revolucionários de pintura, criados pôr ele, para os dois catamarãs Mares 38′ offshore, que seriam lançados no salão náutico de Fort Lauderdale daquele ano. Esses trabalhos são mostrados em revistas especializadas dos EUA e do Brasil.

Até 1997 trabalhou exclusivamente para o estaleiro Mares especializando-se em pinturas de peixes oceânicos nos barcos de pesca do Rio e de São Paulo bem como no desenvolvimento de logos especiais para essas embarcações. Nesse ano o estaleiro Mares é fechado.
Em 1998 foi organizar o setor de pintura do estaleiro Rio Star S.A. e fez o curso de pintura do Parque Laje, com Daniel Senise e, além de se atualizar e explorar os novos caminhos abertos pela arte contemporânea, começou a pintar quadros com as lindas imagens que os peixes de oceano proporcionaram para ele em suas pescarias em alto mar.

Em 1999, além de continuar a fazer pinturas em barcos de pesca, foi convidado para fazer exposição individual de seus quadros em Búzios, na galeria de Ana Bernachi. Em novembro no ICRJ a convite da diretoria de pesca. Em Dezembro em Cabo Frio na subsede do ICRJ para o campeonato de Marlin azul e em Angra na sub-sede do Iate Clube de Santos.

Em 2000 expôs seus quadros novamente em Búzios na mesma galeria de Ana Bernachi a convite da proprietária tal foi o sucesso da exposição de 99 e, além de fazer as pinturas personalizadas dos Iates de pesca de oceano mais famosos do Rio e de São Paulo, fez uma série de quadros por encomenda para Ícones da sociedade nacional. Inaugura o seu website e entra na era digital.

Em 2001, faz exposição individual no salão Náutico do Rio de Janeiro a convite dos organizadores, na área de convidados VIP da Revista Náutica. Em Julho foi convidado pela Secretaria de Turismo de Ilha Bela para fazer exposição individual no prédio da secretaria de Cultura durante a semana de vela de Ilha Bela. Em Setembro participou de mostra coletiva no salão de Artes Plásticas de IlhaBela, junto com os artistas plásticos: Gilberto Salvador, Caciporé Torres, Newton Mesquita, Takashi Fukushima e Gilmar Pinna. Em Novembro foi convidado por Cesarina Riso para fazer exposição individual na Villa Riso no Rio de Janeiro. Em Dezembro faz exposição individual no ICRJ no início da temporada anual de pesca oceânica e em Cabo Frio na sub-sede do ICRJ durante o 1º campeonato internacional de Marlin azul com equipes dos EUA e Brasil.

Em 2002 continua com a exposição individual no ICRJ durante o campeonato anual de peixes de bico. Em Fevereiro, a convite do Vice Almirante Janot, desenvolveu, e pintou, a logo do novo barco nº 1 de regatas da Escola Naval. Em Abril participou do Salão Náutico do Rio de Janeiro com stand próprio, expondo e vendendo seus quadros, originais e edições limitadas, e outros artigos com suas pinturas, principalmente camisas com suas imagens, sendo esse o primeiro salão náutico que faz com sua própria marca, após participar de 14 versões de salões náuticos (no Brasil e EUA), com suas pinturas em barcos. Em Maio recebe uma encomenda da diretoria do Campo de Marlin, da PETROBRAS, para fornecer os quadros (reproduções emolduradas) de marlins para a decoração dos gabinetes, recepções e salas de diretoria, tanto no prédio sede na Tijuca RJ como nos escritórios em Macaé e das plataformas no campo de Marlin. Em junho recebe a encomenda da diretoria de pesca do ICRJ para desenvolver um original, e 15 reproduções, para ser a premiação principal do campeonato de pesca “Open 25” do clube.

Em 2003 faz uma tela com um grande Marlin azul em homenagem ao amigo Luiz Leolpoldo Noronha o “Bijú”, para ser a premiação principal do Torneio de Marlin Azul do ICRJ sendo entregue na solenidade oficial de entrega de premios de pesca do clube . O original foi doado, com patrocínio do Sr. Carlos Alberto Ribeiro, para a sala da diretoria de pesca do clube e suas reproduções com placa foram a premiação para os vencedores do torneio. Também faz exposição individual no Salão Náutico do Rio de Janeiro a convite dos organizadores, na área de convidados VIP da Revista Náutica.

Em 2004 e 2005 faz apenas quadros por encomenda.

Em 2005 foi convidado pela revista Marlin Magazine para ter um de seus quadros exposto na 1º edição do ano onde eles fazem uma seleção das melhores artes de peixe de bico. É considerado uma grande honra nos EUA ter uma obra publicada nessa revista.

Em 2006 faz em outubo, sua 1ª exposição internacional em Fort Lauderdale no Fort Lauderdale International Boat Show. Em dezembro faz outra exposição em Palm Beach, na Flórida. Foi convidado, novamente, para ter um quadro seu exposto na revista Marlin Magazine. Mais do que reconhecer a qualidade do trabalho os americanos estão encantados com a arte de LF Clark.

Em fevereiro de 2007 fez exposição em South Beach no Miami International Boat Show. Seus quadros estão em galerias em Miami, Boca Raton, e na ilha do Kauai no Hawaii.


F. Bari

Editor do site cabecaFeita.com

Um comentário em “Luis F. Clark

Deixe uma resposta